Promoção e Educação em Saúde debate ações intersetoriais para a prevenção da obesidade

Ideia é estreitar articulação entre os setores e áreas para promover qualidade de vida e cuidado integral à população

Em um novo momento de discussão do planejamento de ações intersetoriais para a prevenção da obesidade no município, a Gerência de Promoção e Educação em Saúde (GPES) deu continuidade, esta semana, ao debate de estratégias direcionadas à promoção da saúde nessa área.

Reunião foi conduzida pela gerente Adriana Toledo de Paffer. Foto: Ascom SMS

A iniciativa, que reuniu nutricionistas das secretarias municipal e estadual de Educação, de instituições de ensino superior, das áreas técnicas da Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e de unidades de saúde, tem como finalidade deter o avanço da obesidade em todas as faixas etárias e contribuir para a saúde e nutrição da população maceioense.

Nutricionistas debateram estratégias conjuntas de promoção à saúde. Foto: Ascom SMS

“A obesidade já é considerada um problema de saúde pública em todo o mundo. Dessa forma, precisamos ampliar a articulação entre os setores e áreas, para promover um enfrentamento eficiente, capaz de frear o avanço da obesidade e, consequentemente, o crescimento dos índices de doenças crônicas, possibilitando hábitos de vida mais saudáveis e o cuidado integral à saúde da população”, destacou a gerente da GPES, Adriana Toledo de Paffer.

Paralelamente, a área técnica de Promoção e Educação em Saúde também está realizando um questionário com as secretarias e instituições, para detectar e mapear projetos de pesquisa e extensão com propostas de projetos de intervenção nessa área. A ideia é reunir os esforços necessários para fortalecer as ações intersetoriais e potencializar essas ações e contribuir para promover a qualidade de vida das famílias na capital alagoana.

Equipe participante da reunião. Foto: Ascom SMS

Cenário epidemiológico atual

De acordo com dados levantados junto aos Núcleos de Atividade Física do município, em 2019, 72% dos maceioenses apresentam excesso de peso; em 2020, esse número caiu para 68% e em 2021 subiu para 81%. Já em relação a obesidade, Maceió registrou um índice de 24% em 2019, 22,41% em 2020 e 33,7% em 2021.

No que se refere às crianças, os índices registrados pelo Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (Sisvan), apontam que, em 2019, na faixa etária dos 2 a menor de 5 anos, 21,49% apresentaram excesso de peso, 5,29% destes com obesidade. Já na faixa etária dos 5 aos 9 anos, o percentual de excesso de peso chegou, naquele ano, a 24,5%; 13,34% com obesidade ou obesidade grave.

É importante ressaltar ainda que, entre os adolescentes brasileiros, esse total chega a 9,7 milhõescomexcesso de peso no país, sendo 3,4 milhões com obesidade (Sisvan, 2019).

Cássia Oliveira / Ascom SMS

Fechar