Painel online discute protocolo sanitário para o retorno das aulas em Maceió

Transmissão feita pelo YouTube reuniu representantes da Educação e da Saúde municipais

O evento foi transmitido nesta quinta-feira, 16, pelo canal da Secretaria no YouTube

A Secretaria Municipal de Educação (Semed) está finalizando os preparativos para a retomada das aulas presenciais na rede municipal de ensino da capital. Para tratar da questão, diretores de escolas, vice-diretores, professores, equipes pedagógica e de apoio, bem como mães e pais de alunos participara do painel “Retorno das aulas presenciais: elementos para acompanhamento do protocolo de segurança sanitária”, transmitido nesta quinta-feira, 16, pelo canal da Secretaria no YouTube. O evento reuniu equipes da Semed e da Secretaria Municipal de Saúde (SMS).

A secretária-adjunta de Educação, Emília Caldas, explicou que há uma normativa do Conselho Nacional de Educação (CNE) que estabelece a retomada das atividades presenciais das aulas. Ela ressaltou que desde o final do ano passado, antes mesmo de assumir, a atual gestão tem dado toda a atenção a esse protocolo de segurança sanitária para a retomada das aulas presenciais. Emília Caldas confirmou que, na próxima semana, as escolas municipais deverão receber os protocolos impressos para orientação da comunidade escolar.

A secretária adjunta disse, ainda, que tem dividido com o Ministério Público Estadual (MPE) os planos de ação das escolas para a volta do retorno presencial no modelo híbrido. “Estão sendo tomadas várias providências e sugestões. Os Centros Municipais de Educação Infantil [CMEIs] que têm ensino integral, não será possível a retomada nesse modelo. Então, são várias mudanças”, concluiu Emília Caldas.

Com mediação da coordenadora do Programa Saúde na Escola (PSE) da SMS, a transmissão teve grande participação do público, que enviou perguntas para as participantes do painel. Alanna Albuquerque, da Gerência de Imunização da SMS, explicou os objetivos da Campanha Nacional de Vacinação contra a Covid e destacou as diferenças entre cada uma das diferentes vacinas disponíveis para combate da doença. “O objetivo é reduzir a mortalidade de pessoas e o número de hospitalizações”, disse ela. “Por isso, a campanha começou com as pessoas de maior idade, passando para os demais critérios”, justificou.

Adriana Guimarães, médica veterinária e técnica da Gerência de Promoção de Educação e Saúde da SMS, falou sobre os elementos facilitadores para a aplicação do protocolo de prevenção à Covid nas escolas da rede pública de ensino. “Elaboramos checklist para checar todos os protocolos para facilitar a aplicação. Seguimos o protocolo elaborado pelo Governo do Estado, no qual constam aspectos de grande importância, a exemplo da orientação para que todas as escolas elaborem seus protocolos específicos para a retomada das aulas presenciais”, esclareceu ela.

As orientações às quais Adriana se referiu constam na portaria 10.559/2020, do Executivo Estadual, e no Guia de Volta às Aulas, elaborado pela Prefeitura de Maceió, cujas normas irão nortear os planos de ação. A documentação engloba todos os entes ligados a escola, ou seja, desde os alunos, até a direção das unidades de ensino, passando pelos pais e mães, pessoal de apoio, equipe administrativa e professores.

A transmissão teve grande participação do público, que enviou perguntas para as participantes do painel

De acordo com Adriana, um documento complementa o outro. “A portaria, por exemplo, estabelece que a máscara utilizada pelo aluno deve ser trocada após a merenda. O checklist orienta que o acessório deve ser guardado em saco plástico limpo”, citou ela durante a apresentação. Outro exemplo citado por Adriana Guimarães é que o Guia de Retorno às Aulas, elaborado pela Prefeitura, orienta a informar pais e mães a não enviarem brinquedo para a escola, enquanto o checklist reforça o lembrete.

Ela também apresentou uma planilha a ser seguida para o processo de limpeza e higienização. “A equipe de limpeza pode ficar em dúvida sobre o que deve ser limpo com frequência e o protocolo estabelece quais os produtos a serem usados, em quais ambientes e com qual frequência. Isso é algo muito relativo a cada escola, mas o protocolo orienta, por exemplo, que toda superfície de toque precisa ser higienizado e a devida frequência”, acrescentou Adriana Guimarães.

O material está numa cartilha ilustrada, que deverá ficar disponível em todos os setores das escolas, até mesmo na sala de aula, para consulta dos professores e esclarecimento de possíveis dúvidas.

Patrícia Raquel Santos, da Vigilância Sanitária, especialista em Ciências Ambientais, explicou que o setor da SMS conta com 104 escolas estaduais, outras 103 municipais e mais três federais. “É importante que cada escola elabore o seu plano próprio de ação, para que a Vigilância Sanitária possa visualizar melhor cada unidade de ensino para a inspeção que será feita pelo nosso setor”, explicou ela.

Ainda de acordo com Patrícia, é necessário o perfeito alinhamento entre as gestões para a devida observância dos protocolos de segurança sanitária. Ela reforçou a necessidade de garantir o material de higienização, incluindo o álcool a 70%, para reduzir ao mínimo possível a possibilidade de contaminação. “A Vigilância Sanitária segue a legislação, por isso a necessidade do plano próprio de cada escola”, explicou.

Também foram respondidas questões feitas pelos participantes do painel através do chat do YouTube. Allana Albuquerque destacou a importância da imunização da população e disse que, para os negacionistas, o essencial é informá-los sobre a importância da imunização. Adriana Guimarães esclareceu que o período de uso da máscara depende do uso e a frequência de troca depende desse aspecto. “Não pode ficar a máscara molhada”, ressaltou.

Delane Barros / Ascom Semed

Fechar