Mês da consciência negra: atividades em escola municipal marcam comemoração

O feriado comemorativo da consciência negra, que aconteceu no último sábado (20), foi comemorado de forma antecipada na Escola Municipal João Feitosa, localizada no bairro do Rio Novo, na parte alta. Na última quinta-feira (18), junto a uma dinâmica que reuniu os estudantes numa prática de capoeira, funcionou também uma oficina de confecção de berimbaus com materiais reciclados.

Junto a dinâmica que reuniu os estudantes numa roda de capoeira, funcionou também uma oficina de confecção de berimbaus com materiais reciclados. Foto: Leonardo André / Ascom Semed

A coordenadora da escola, Josilene Amorim, explica que a programação da prática de capoeira foi planejada levando em conta as provas do Saeb, que estavam agendadas para a sexta-feira e iriam conflitar com as atividades comemorativas. “Para que essa história não se perca durante o tempo, a gente faz questão de manter ela viva na mente das crianças, levando para frente essa questão da resistência, da luta e do enfrentamento das dificuldades”, declarou.

Para a homenagem, a coordenação e a diretoria da escola decidiram investir também numa oficina para a confecção de berimbaus. Segundo José Manoel Chagas, professor responsável pela dinâmica de capoeira, a atividade para confeccionar os instrumentos, visou o ensino do bem estar ecológico através da reciclagem, reunindo pedaços de bambu, assim como garrafas pet trazidas pelos próprios estudantes. O professor ainda disse que, depois das atividades, os instrumentos produzidos na oficina com o restante dos materiais reunidos, foram distribuídos para os estudantes da escola que participaram da comemoração.

“Eu vi a necessidade, uma vez que eu já tenho um trabalho com os alunos da escola e as crianças da comunidade veio a ideia de fazer esse berimbau ecológico para comemorar o mês da consciência negra”, explicou ele.

Eduardo Ribeiro da Silva Santos Lima, aluno do 4º ano, participou da oficina e disse que ficou bastante feliz com o resultado da atividade “Ainda não aprendi a tocar muito bem mas estou tentando melhorar, né”, contou.

Caio Roque (estagiário) / Ascom Semed

Fechar