Live discute combate ao trabalho infantil

Como parte das ações do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, a A Secretária Municipal de Assistência Social (Semas) realizou, nesta terça-feira (14), uma live com o tema “2021: um ano para para agir para acabar com o trabalho infantil”. A ação foi organizada pelo núcleo de Enfrentamento ao Trabalho Infantil e foi transmitida pelo canal do YouTube da Prefeitura.

Secretário Carlos Jorge participou da live. Foto Ascom Semas

“É importante a gente falar de um tema como esse, pois precisamos conscientizar a população sobre o trabalho infantil em nosso município”, disse o secretário da pasta, Carlos Jorge, que foi um nos entrevistados.

Além do secretário, participaram da transmissão a técnica de referência ao Enfrentamento ao Trabalho Infantil da Semas, Lidiane Guedes, e a conselheira tutelar, Leandra Januário.

Para Lidiane, o trabalho infantil é uma responsabilidade de todos. “A prática é um sintoma em todo país. É dever do poder público amparar essas crianças”, afirmou a técnica.

Integrantes da Semas participaram da live. Foto: Ascom Semas

“Pesquisas mostram que as crianças deixam de ir à escola para trabalhar. Não devemos só pensar nos pequenos, mas também na estrutura familiar. Essas famílias precisam do apoio do poder público”, ressaltou Lidiane.

De acordo com dados do IBGE, em Maceió, foram registrados 4.595 crianças em trabalho infantil.

A conselheira tutelar pediu para que as pessoas denunciem e não tenham medo. E ressaltou que o papel do órgão é fiscalizar e cobrar os direitos da criança e adolescente. “As pessoas podem nos procurar de forma espontânea ou pelos canais de denúncia, o disk 100 ou o Whatsapp (61) 99656-5008. A sociedade precisar ser nossa aliada para combater o trabalho infantil’’, explicou Leandra.

A jornalista Nathalia Lopes mediou a live. Foto Ascom Semas

O trabalho infantil é uma realidade para muitas crianças do Brasil. Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PnadC), em 2019, havia 1,8 milhão de crianças e adolescentes de cinco a dezessete anos em situação de trabalho infantil, o que representa 4,6% do total nesta faixa etária (38,3 milhões). Com a pandemia do Covid-19, essa situação pode piorar.

Mailson Franklin/Ascom Semas

Fechar