Homenagens à Consciência Negra movimentam o histórico bairro de Jaraguá

Artistas destacam a importância da atuação do município para a cultura negra

O Dia da Consciência Negra, que acontece todo dia 20 de novembro em lembrança a data de falecimento de Zumbi dos Palmares, foi marcado por mais uma ação especial da Fundação Municipal de Ação Cultural, (FMAC), que realizou no projeto “Vamos Jaraguanear com Sextas Clássicas” um edição especial em homenagem à data.

Com apresentações dos grupos Afro Dendê, Afro Zumbi e Afro Afoxé, além de vários depoimentos ao vivo dos membros da cultura negra de Maceió, a noite foi ritimada pelo som e pela dança afro de Maceió.

Wagner Lima, mais conhecido como mestre Waguinho, da Banda Afro Zumbi, aproveitou para dar seu recado sobre a gestão da FMAC em relação à cultura negra. “Me sinto bem à vontade hoje diante dessa nova gestão da secretaria de cultura do nosso município para falar dos nossos propósitos e objetivos, da nossa cultura popular, principalmente quando se fala da cultura afro alagoana”, comentou Wagner Lima.

Mestre Wagner Lima, da Afro Zumbi. Foto: Daniel Marinho

Grupo Afro Zumbi. Foto: Daniel Marinho

Mestre Wagner também observa que o seu sentimento se entende ao movimento artístico de Maceió. “Tenho certeza que toda classe artística cultural deve estar se sentindo da mesma forma, pois a transparência e a vontade de fazer um trabalho voltado a toda classe cultural está sendo feito com todo esforço, não só por nossa secretária de cultura, Mirian Monte, bem como por toda sua equipe de trabalha a sua volta fazendo com que todos os grupos culturais, independente de seguimento se sintam todos acolhidos”, destaca o mestre.

A presidente da FMAC, Mirian Monte. Foto: Bruno Wesley

A presidente da FMAC, Mirian Monte, pontua sobre a importância do poder público em fazer atuações específicas para datas históricas. “Hoje é um dia muito especial para o nosso país, porque reflete um dia de conquista, de lutas por igualdade de oportunidades e de respeito. Nossa história nos diz a razão pela qual nossa cultura é tão rica, mas também reflete um passado de domínio e de opressão, que culminou em abismos de desigualdades. É tempo de fazer o caminho inverso: é tempo de consolidar a cultura de paz, de respeito. É tempo de mergulharmos em nossas heranças africanas e é tempo de percebermos que nossa força está nessa diversidade” destaca a presidente da FMAC, ressaltando ainda a relevância da discussão do tema por todo ano. “Que a cultura seja um instrumento de pacificação, de compreensão e de fortalecimento do nosso povo. Que o dia da Consciência Negra seja um momento de reflexão que se estenda para os demais 364 dias do ano”, enfatiza a presidente.

As apresentações do “Vamos Jaraguanear com Sextas Clássicas” seguem por todas sextas e sábados, até o dia 4 de dezembro.

Gabriela Lyra / Ascom FMAC

Fechar