Educação define matrizes para avançar no fluxo escolar como alternativa para o anos letivos 2020/2021

Gestão apontou as matrizes curriculares e modalidades da educação básica da rede municipal

Educação operacionaliza formas de assegurar a aprendizagem dos estudantes da rede municipal de ensino no atual cenário pandêmico. Foto: Ascom Semed

A Secretaria Municipal de Educação de Maceió (Semed) operacionaliza formas de assegurar a aprendizagem dos estudantes da rede municipal de ensino no atual cenário pandêmico da Covid-19. Para isso, a gestão definiu as matrizes curriculares das etapas e modalidades da educação básica da rede municipal. É a alternativa para os anos letivos de 2020 e 2021, afetados pela pandemia.

A Portaria que define as Matrizes Curriculares na perspectiva do continuum curricular está publicada na edição desta quarta-feira (7), do Diário Oficial do Município (DOM). O documento orienta as escolas da rede de ensino da capital quanto a carga horária mínima a ser cumprida e registrada em cada uma das unidades de ensino. De acordo com a portaria que trata do tema, a matriz curricular do Ensino Fundamental no Ciclo Emergencial Continuum Curricular 2020/2021 deverá totalizar 1.600 horas, sendo 800 horas para cada um dos anos letivos e 1.200 horas para a modalidade de Educação de Jovens, Adultos e Idosos (Ejai).

A medida está fundamentada em normativas do Conselho Nacional de Educação (CNE) e do Conselho Municipal de Educação (Comed) e toda a legislação vigente acerca da Educação Básica . A secretária-adjunta de Educação, Emília Caldas, destaca que o Ciclo Emergencial Continuum Curricular possibilita a flexibilização do calendário letivo e, ao aluno da rede de ensino da capital a compensação da carga horária e avanço do fluxo escolar.

Além disso, conforme Emília, contribui para a recuperação da aprendizagem, prejudicada pela longa ausência da sala de aula, em virtude da crise sanitária. “Essa medida permitirá às escolas adotarem a carga horária dos anos letivos de 2020 e 2021, de forma remota ou presencial, com vistas a recuperar a aprendizagem nos casos daqueles alunos que tiveram maiores prejuízos e evita a ruptura da proposta curricular”, acrescenta a secretária-adjunta.

O documento pode ser consultado no Diário Oficial do Município, edição desta quarta-feira, 7 de julho, no link.

Delane Barros / Ascom Semed

Fechar