Defesa Civil e GGI dos Bairros esclarecem dúvidas sobre afundamento do solo

Informações inverídicas compartilhadas em aplicativos de mensagem levaram o grupo a procurar órgãos oficiais

Um grupo de empresários e moradores do bairro do Farol estiveram reunidos com a Defesa Civil de Maceió (DCM) e o Gabinete de Gestão Integrada para a Adoção de Medidas de Enfrentamento aos Impactos do Afundamento dos Bairros (GGI dos Bairros), nesta terça-feira (8), para tirar dúvidas sobre a situação bairros atingidos pelo afundamento do solo por conta da mineração de sal-gema.

A iniciativa do grupo em procurar os órgãos oficiais acontece devido ao compartilhamento de informações inverídicas em aplicativos de mensagens e atribuídas ao coordenador da Defesa Civil, apontando que o problema de afundamento de solo iria afetar outras regiões de Maceió.

Durante a reunião, Abelardo Nobre fez uma apresentação onde mostrou toda a evolução do problema, desde o tremor de terra, ainda em 2018, até os dias de hoje. Ele destacou que diversas informações, já divulgadas pelo GGI dos Bairros e pela própria Defesa Civil, deixam claro a evolução do problema.

“Essa apresentação que fiz aqui é a mesma que fiz em outras oportunidades para outros grupos, onde deixamos claro que o problema de subsidência continua ocorrendo, mas que não há nada que aponte para a inclusão de outros bairros”, explicou Abelardo.

Defesa Civil e GGI dos Bairros esclarecem sobre afundamento de solo provocado pela atividade de mineração (Foto: Ascom Defesa Civil)

De acordo com o empresário Luiz Jardim, o grupo ficou preocupado devido a informações atribuídas ao coordenador da Defesa Civil, Abelardo Nobre, compartilhadas em aplicativos de mensagens, assustando a população que mora ou tem comércio no entorno da área afetada pelo problema. “Foi por isso que resolvemos tentar essa reunião, afinal de contas hoje há muita desinformação sobre essas questões dos bairros, devido a publicação de textos que não esclarecem, mas assustam a população”, explicou Jardim.

Questionado sobre uma possível ampliação do Mapa de Linhas de Ações Prioritárias, Nobre esclareceu que a Defesa Civil de Maceió segue realizando estudos e monitorando não apenas os bairros afetados, como também a região do entorno, e que é prematuro apresentar informações sobre esses trabalhos.

O advogado Romany Cansanção Mota, que também é morador do bairro do Farol, acredita que a desinformação deve ser combatida com clareza sobre as ações.

“A reunião foi bastante esclarecedora. Nós sabemos, de modo geral, que a situação dos bairros é grave, mas assistir uma apresentação como essa e conhecer de perto a estrutura da Defesa Civil nos dá a dimensão clara do problema”, pontuou.

Para o coordenador do GGI dos Bairros, Ronnie Mota, a iniciativa do grupo foi oportuna, uma vez que a Defesa Civil é a instituição mais gabaritada para tirar dúvidas sobre a evolução dos problemas.

“Esse é, sem dúvidas, o melhor local para esclarecer dúvidas. A Defesa Civil de Maceió é quem fez os levantamentos e apontamentos que concluíram na elaboração de todos os mapas que tivemos até agora. Além disso, estudos estão em andamento e é a Defesa Civil quem deve se pronunciar sobre ampliação de mapa e evolução de problema”, concluiu.

Fechar