Assistência Social realiza campanha de Combate ao Trabalho Infantil

Campanha alerta que o trabalho infantil rouba o futuro da criança

De olho no combate ao trabalho infanto-juvenil, a Secretaria Municipal de Assistência (Semas) lança nos próximos dias uma campanha alusiva ao Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, que é comemorado neste sábado (12). Este ano, o tema da campanha será “Deixem as mãozinhas livres. O trabalho rouba o futuro da criança”.

Em virtude da pandemia a campanha será virtual, com divulgação nas redes sociais da Prefeitura de Maceió, com carros de som, que circularão pela cidade e nos equipamentos da Semas. A campanha será lançada, numa live que acontece nesta segunda-feira (14), às 19h, no YouTube da Prefeitura de Maceió.

Segundo a técnica de referência de Enfrentamento ao Trabalho Infantil da Semas, em Maceió, Lidiane Guedes, com o agravamento da crise econômica através da pandemia, ainda mais crianças e adolescentes foram “empurradas” para o trabalho infantil.

“Com a campanha, queremos mostrar que o trabalho infantil não é brincadeira e que rouba o futuro de milhares de crianças e adolescentes, trazendo a reflexão de como podemos agir para erradicar essa prática”, explicou.

A Semas também está apoiando a campanha promovida pelo Fórum Nacional de Prevenção e Erradicação do Trabalho Infantil (FNPETI), com o tema “Precisamos agir agora para acabar com o trabalho infantil!”

Símbolo da campanha

O símbolo da campanha e da luta contra o trabalho infantil no Brasil e no mundo é o catavento de cinco pontas coloridas. Ele tem um sentido lúdico e expressa a alegria que deve estar presente na vida das crianças e adolescentes.

O dia 12 de junho, Dia Mundial contra o Trabalho Infantil, foi instituído pela Organização Internacional do Trabalho (OIT) em 2002, data da apresentação do primeiro relatório global sobre o trabalho infantil na Conferência Anual do Trabalho.

Desde então, a OIT convoca a sociedade, os trabalhadores, os empregadores e os governos do mundo todo a se mobilizarem contra o trabalho infantil.

Vanessa Napoleão/Ascom Semas

Fechar