Assistência domiciliar auxilia tratamento de pacientes com cuidados especiais

Equipe do SAD em visita domiciliar a paciente. Foto: Ascom SMS

Pacientes que passaram por internação hospitalar e ainda necessitam de uma assistência direta com cuidados especiais em Maceió têm à disposição, em suas residências, o atendimento das equipes do Serviço de Atenção Domiciliar (SAD).

O serviço, disponível de domingo a domingo, foi criado pelo Ministério da Saúde, através de portaria, dentro do Programa Melhor em Casa, e tem como objetivo melhorar a qualidade de vida dos pacientes da Rede SUS que apresentam condições de alta hospitalar, ofertando, em seu domicílio, a continuidade dos cuidados adequados. Diariamente, são realizados cerca de oito visitas por equipe em Maceió.

“O atendimento realizado pelo SAD tem caráter transitório, mas é disponibilizado até o paciente evoluir e apresentar um quadro de saúde estável, sem a necessidade de assistência da equipe, com a continuidade do tratamento sendo feito por um cuidador ou familiar previamente cadastrado”, explica Dulce Denyse, coordenadora geral do SAD.

Atendimento direcionado a pessoas com graves dificuldades de locomoção. Foto: Ascom SMS

No total, nove equipes do SAD atendem a todas as regiões da cidade. Seis delas são Equipes Multiprofissionais de Atenção Domiciliar (EMADs) – compostas por médicos, enfermeiros, técnicos de Enfermagem e fisioterapeutas – que fazem o primeiro atendimento após a desospitalização. As equipes estão sediadas na Secretaria Municipal de Saúde (SMS) e na UBS Hamílton Falcão, no Benedito Bentes.

Articulação entre setores

Outra equipe de EMAD trabalha articulada com o Núcleo de Regulação (NIR) do Hospital Geral do Estado (HGE). Dentro daquela unidade, percorre as alas identificando pacientes com previsão de alta e realizando o agendamento de visitas para avaliar o paciente, levantar suas necessidades e fazer as orientações iniciais ao cuidador.

Equipe do SAD Hospitalar. Foto: Ascom SMS

Após esse primeiro contato, passam a acompanhar semanalmente a evolução do paciente e, nessa etapa, contam também com a atuação das Equipes Multidisciplinares de Apoio (EMAPs). Estas são formadas por assistentes sociais, psicólogos, odontologistas, nutricionistas, fonoaudiólogos e terapeutas ocupacionais, que, junto à equipe base, trabalham na recuperação de pacientes que apresentam necessidades como dificuldades severas de locomoção, feridas complexas ou abcessos, que fazem uso de aparelhos para respirar ou de medicação subcutânea e/ou endovenosa.

“O foco principal das nossas equipes é garantir que o paciente possa dar continuidade ao seu tratamento ou atendimento adequado sem precisar se manter exposto aos riscos de infecções tão presentes no ambiente hospitalar. É bom para o paciente, que se recupera mais rápido perto da família, e também para os hospitais, que reduzem a demanda por atendimento”, destaca Allan Almeida, coordenador do SAD Hospitalar.

População precisa atender critérios

Na Secretaria Municipal de Saúde (SMS), o Serviço de Atenção Domiciliar também é disponibilizado para a população de forma geral, desde que os pacientes atendam aos critérios para receber a assistência em domicílio.

Para que a equipe visite o paciente, é necessário apenas solicitar o serviço: pessoalmente, na sede da SMS (Rua Dias Cabral, 569, no Centro) ou pelos telefones 3312-5464 ou 99915-6031.

Foi o que fez a dona de casa Maria Lúcia Cavalcante, que solicitou o serviço para sua mãe de criação. Dona Eunice, de 87 anos, que é hipertensa e portadora do Mal de Alzheimer há cerca de 4 anos, vinha precisando de cuidados especializados, mas por ser acamada, com grande dificuldade de locomoção, passou a necessitar de cuidados na própria residência.

Atendimento é acompanhado por cuidadora da paciente. Foto: Ascom SMS

Na última terça-feira (22), dona Eunice recebeu a visita de uma equipe EMAP em seu domicílio, que avaliou sua condição nutricional, detectou alterações bucais e fez outras orientações à dona Maria Lúcia, que é cuidadora da idosa.

“Assim que soube desse serviço, há dois meses, procurei por essa ajuda. E o trabalho deles tem sido muito importante para que eu possa cuidar da minha mãe da forma correta, possibilitando que ela tenha uma vivência mais tranquila nessa fase da vida”, reforçou a dona de casa.

Cássia Oliveira/ Ascom SMS

Fechar