APOIO COMUNITÁRIO – Moradores do Mutange atuam como fiscais nas áreas desocupadas da região

52 pessoas foram contratadas para observar e relatar irregularidades como ocupação indevida, vandalismo, arrombamentos e controle de pragas

Foto: Pei Fon/Secom Maceió

Com as recentes desocupações no bairro do Mutange – em razão de problemas geológicos que vem causando rachaduras na região e trazendo riscos à população – dezenas de casas estão sofrendo com atos de vandalismo. Para amenizar a situação, a partir dessa sexta-feira (3), 52 moradores do bairro farão monitoramento e fiscalização da região circunvizinha a fim de denunciar irregularidades, como arrombamento e ocupação indevida, além do controle de pragas.

A ação faz parte do Programa de Compensação Financeira e Apoio à Realocação, da Braskem, por meio da Segurança Corporativa da empresa, em parceria com a Secretaria de Segurança Pública de Alagoas (SSP/AL) e líderes comunitários dos bairros. A ideia é que a fiscalização seja feita por pessoas conhecidas do local e que já tenham familiaridade com a vizinhança.

Duas equipes de 26 pessoas, contratadas formalmente por uma empresa especializada em segurança patrimonial, estão sendo treinadas sobre a dinâmica de atuação e aspectos conceituais, comportamentais, de saúde e segurança pessoal. Eles irão agir como apoio de comunicação e alerta, em rondas realizadas todos os dias, inclusive nos fins de semana.

Conforme a Braskem, a ação faz parte de um conjunto de medidas em adição às que já vêm sendo adotadas pelos órgãos responsáveis pela segurança pública.

Modo de operação

Os contratados para prestar o apoio comunitário, ao identificar problema ou situação anormal nas rondas diárias, deverão relatar o fato ao seu encarregado de área, utilizando o rádio ou celular. Ao receber a informação, caso se trate de ações de reparação ou controle de pragas urbanas nos imóveis desocupados, o encarregado fará o registro para os devidos encaminhamentos com a Braskem.

Deverão ser relatados também, casos de arrombamento de imóvel, destruição dos tamponamentos, ocupação ilegal e lixo acumulado. Em situações extremas, quando necessário, será comunicado às autoridades policiais para abertura de boletim de ocorrência.

O material de trabalho inclui rádio e celular, além de fardamento – com colete, boné e bota – com a identificação “Apoio Comunitário”.

Os encarregados irão atuar para garantir que todos usem os equipamentos e fardamentos, respeitem os horários de descanso, de alimentação e reposição de água. Também serão tomadas medidas de preservação da saúde diante da pandemia de Covid-19, conforme recomendações do Ministério da Saúde.

Dentre as orientações de segurança sanitária, estão: o distanciamento interpessoal de pelo menos 3 metros, instrução para não tocar em nada durante a ronda, não tocar no rosto, lavar constantemente as mãos com água e sabão ou usar álcool em gel e ter todos os cuidados de higienização ao chegar em casa.

Fechar