Ação socioambiental orienta mais 1.400 pessoas no Clima Bom

Uma ação conjunta da Prefeitura de Maceió e Unidade de Gerenciamento do Programa (UGP) beneficiou mais de 1.400 pessoas que moram no bairro Clima Bom. A ação socioambiental conscientizou a população sobre a ligação de rede coletora irregular e os riscos que a prática pode trazer ao meio ambiente e à saúde. 

Os profissionais foram de casa em casa, levando orientação para moradores de mais de 350 unidades habitacionais no bairro do Clima Bom. “O que estão nos orientando realmente não sabíamos. Não sabíamos dos riscos à saúde e doenças e agora temos a conscientização tanto dos riscos quanto da importância da preservação do meio ambiente”, disse Maria Rosângela, moradora da Travessa São José, há 8 anos.

O trabalho socioambiental iniciou na última terça-feira (15) e percorreu mais de 2.400 metros de extensão, número significativo em apenas três dias de trabalho.

“Em três dias de ação já conseguimos passar a orientação para mais de 350 residências, ou seja, mais de 1.400 pessoas. Elas foram informadas que a ligação de esgoto de cada casa só deve ser feita após o contato da Prefeitura do município e da concessionária de saneamento. Esperamos nos próximos dias dialogar com toda população que será beneficiada no bairro. Atividades dessa natureza são fundamentais para a manutenção da qualidade do meio ambiente local, afinal de contas, obras de saneamento visam promover saúde pública”, ressaltou Patrick Leite, gerente socioambiental da Unidade de Gerenciamento do Programa (UGP).  

As ações estão concentradas no Clima Bom, no horário de 9h às 17h, até a próxima terça-feira (22).

Revitaliza Maceió 

O Revitaliza Maceió é um programa da Prefeitura que está levando obras de saneamento, drenagem, pavimentação, sinalização de vias e acessibilidade para vários bairros da parte alta da capital e litoral norte.

Atualmente, acontecem obras nos bairros do Clima Bom, Tabuleiro do Martins, Santa Lúcia, Cidade Universitária e toda extensão do litoral que também passarão pelas ações socioambientais. As obras são realizadas através do empréstimo de 70 milhões de dólares da Corporação Andina de Fomento (CAF).

Palloma Oliveira/ Ascom – UGP

Fechar