GREVE? Sem acordo com Renan Filho, policiais civis ameaçam paralisar atividades

Na manhã desta sexta-feira (7), a categoria de policiais civis de Alagoas realiza um ato em frente à base da Operação Policial Litorânea Integrada (Oplit), na orla da Ponta Verde, parte baixa de Maceió. Eles afirmam que, caso não haja acordo em reunião marcada para a próxima quinta-feira (13), a categoria deve paralisar as atividades, como forma de pressionar o governador Renan Filho (MDB).

Em assembleia, a categoria decidiu que, toda semana, será realizado um ato de reivindicação quanto à cobrança de proposta de reajuste salarial. Após diversas tentativas frustradas, uma nova reunião foi marcada com Fabrício Marques, secretário da Secretaria de Estado do Planejamento, Gestão e Patrimônio (Seplag). A categoria afirma, ainda, que, caso não haja nenhum acordo no encontro, uma paralisação das atividades deve acontecer nos próximos dias.

O presidente do Sindicato de Policiais Civis de Alagoas (Sindpol/AL), Ricardo Nazário, afirma que a o impasse tem desmotivado os servidores. “A categoria está desmotivada e desvalorizada, porque o governo do Estado deu uma valorização aos delegados da Polícia Civil, à Polícia Militar e, também, aos peritos criminais, com o plano de carreiras, mas esqueceu dos policiais civis”.

O ato, que conta com 100% de adesão da categoria, tem ponto estratégico para buscar apoio da população para pressionar o governo do Estado quanto à valorização dos policiais civis. Uma panfletagem é realizada no local, com o intuito de informar e conscientizar quem passa pela região.

Fechar